43º edição do Festival de Cinema de Gramado é sucesso na serra gaúcha

0
1356
Palácio dos Festivais.
Palácio dos Festivais.

 

O Festival de Cinema de Gramado teve sua abertura oficialmente na tarde do dia 07/08/2015, com belíssima cerimônia realizada na Rua Coberta, contando com a presença da Orquestra da Gramado e autoridades locais e nacionais.

Secretário de Cultura do Estado, Victor Hugo, discursa na abertura do 43ª Festival de Cinema de Gramado.
Secretário de Cultura do Estado, Victor Hugo, discursa na abertura do 43ª Festival de Cinema de Gramado.

 

O secretário da Cultura do Rio Grande do Sul, Victor Hugo, dirigiu aos gramadenses e turistas que não conseguiram pisar no tapete vermelho, mas acompanhavam atentos e debruçados nas divisórias que separavam o palco de apresentação, um agradecimento. “Vocês são o motivo para que a magia do cinema aconteça ali dentro”, disse, apontando para o Palácio dos Festivais, onde ocorre a maior parte da programação, não deixando de mencionar que já pensa nos grandes festejos dos 45 anos do festival, que ocorrerá em 2017.

O prefeito municipal de Gramado/RS, fala aos presentes.
O prefeito municipal de Gramado/RS, fala aos presentes.

Comandante maior das políticas voltadas à difusão da arte no Rio Grande do Sul, o secretário de estadual da Cultura, Victor Hugo, destacou o festival como uma importante alavanca de desenvolvimento. “No governo, temos uma missão de impulsionar iniciativas da chamada economia da cultura, como é o caso desta festa que tanta alegria nos dá”, afirmou.

Foi também esse o ponto lembrado pelo prefeito de Gramado, Nestor Tissot, que acrescentou ainda a dimensão revista simbolo do evento. “O Educavídeo é a centelha vitoriosa que garante a continuidade deste festival”, celebrou. “O festival foi responsável por apresentar Gramado à mídia nacional. Tem repercussão que impacta não só na economia da cidade, como também na sociedade”, relatou o prefeito Nestor Tissot.

A senadora Ana Amélia Lemos deixou a política de lado por alguns instantes e recordou sua breve carreira de atriz, ainda na juventude. “Fiz a rainha do circo, a trapezista Miss Mary, no filme ‘Não Aperta Aparício’, podem olhar lá nos créditos”, brincou.

Antes da abertura oficial, ainda, na quinta-feira, o Palácio dos Festivais recebeu uma a apresentação do Projeto Educavídeo, uma inciativa de produção cinematográfica de alunos da cidade. Após a abertura, foram exibidos dois curtas e dois longas no Palácio dos Festivais: “Bá” (SP), “Que Horas ela Volta? ” (SP), “Como são Cruéis os Pássaros da Alvorada” (MG) e “En la Estancia” (México).

Orquestra Sinfônica de Gramado.
Orquestra Sinfônica de Gramado.

No encerramento da cerimônia de abertura a Orquestra Sinfônica de Gramado apresentou temas de clássicos do cinema, como 007 Indiana Jones, além de músicas de desenhos animados, como Os SimpsonsFlintstones e Pantera Cor-de-Rosa. Os músicos foram aplaudidos de pé pelo público. Antes, por volta de 16h, diretores, atores e atrizes começaram a chegar ao local do evento.

Serviço
43ª Festival de Cinema de Gramado
Data: De 7 a 15 de agosto
Onde: Palácio dos Festivais (Av. Borges de Medeiros, 2697)
Quanto: De R$30 (sessão) a R$ 100 (premiação)

Longa-metragem nacional
“Ausência”, de Chico Teixeira (SP)
“Introdução à Música do Sangue”, de Luiz Carlos Lacerda (RJ)
“O Fim e os Meios”, de Murilo Salles (RJ)
“O Outro Lado do Paraíso”, de André Ristum (DF)
“O Último Cine Drive-In”, de Iberê Carvalho (DF)
“Ponto Zero”, de José Pedro Goulart (RS)
“Um Homem Só”, de Cláudia Jouvin (RJ)
Longa-metragem estrangeiro
“Ella”, de Libia Stella Gómez (Colômbia)
“En La Estancia”, de Carlos Armella (México)
“La Salada”, de Juan Martin Hsu (Argentina)
“Ochentaisiete”, de Anahi Hoeneisen e Daniel Andrade (Equador)
“Presos”, de Esteban Ramírez Jímenez (Costa Rica)
“Venecia”, de Kiki Alvarez (Cuba)
“Zanahoria”, de Enrique Buchichio (Uruguai)

Curta-metragem nacional
“Bá”, de Leandro Tadashi (SP)
“Como São Cruéis os Pássaros da Alvorada”, de João Toledo (MG)
“Dá Licença de Contar”, de Pedro Serrano (SP)
“Enquanto o Sangue Coloria a Noite, Eu Olhava as Estrelas”, de Felipe Arrojo Poroger (SP)
“Haram”, de Max Gaggino (BA)
“Heroi”, de Pedro Figueiredo (SP)
“Macapá”, de Marcos Ponts (MA)
“Miss & Grubs”, de Camila Kamimura e Jonas Brandão (SP)
“Muro”, de Eliane Scardovelli (SP)
“O Corpo”, de Lucas Cassales (RS)
“O Teto Sobre Nós”, de Bruno Carboni (RS)
“Quando Parei de Me Preocupar Com Canalhas”, de Tiago Vieira (SP/GO)
“S2”, de Bruno Bini (MT)
“Sêo Inácio (ou O Cinema Imaginário)”, de Helio Ronyvon (RN)
“Virgindade”, de Chico Lacerda (PE)
Mostra Gaúcha
“Arte da Loucura”, de Karine Emerich e Mirela Kruel (Porto Alegre)
“Atrás da Sombra”, de Luciana Mazeto e Vinícius Lopes (Porto Alegre)
“Bruxa de Fábrica”, de Jonas Costa (São Leopoldo)
“Consertam-se Gaitas”, de Ana Cris Paulus, Boca Migotto e Felipe Gue Martini (Bento Gonçalves)
“Da Vida Só Espero a Morte”, de Júlia Ramos (Porto Alegre)
“De Que Lado Me Olhas”, de Carolina de Azevedo e Elena Sassi (São Leopoldo)
“Entre nós”, de Maciel Fischer (Pelotas)
“Ferro”, de Giordano Gio (Porto Alegre)
“Kaali”, de Gabriel Motta Ferreira (Porto Alegre)
“Liga-pontos”, de Teresa Assis Brasil (São Leopoldo)
“Madrepérola”, de Deise Hauenstein (São Leopoldo)
“Nes Pas Projeter”, de Cristian Verardi (Porto Alegre)
“O Corpo”, de Lucas Cassales (Porto Alegre)
“O Movimento do Escuro”, de Alexandre Rossi (Porto Alegre)
“O Sonho, o Limiar e a Porta que Metamorfoseia”, de Gustavo Spolidoro (Porto Alegre)
“Pele de Concreto”, de Daniel de Bem (Porto Alegre)
“Plano”, de Virginia Simone, Carlos Dias e Matheus Walter (Porto Alegre)
“Quanto Mais Suicidas, Menos Suicidas”, de Maurício Canterle Gonçalves (Santa Maria)
“Rito Sumário”, de Alexandre Derlam (Porto Alegre)

O Festival de Gramado tem sua programação até o dia 15 de outubro, quando serão anunciados os vencedores dos Kikitos.

Comentários no Facebook