Decida-se por exercer seu verdadeiro poder

0
648

Antes de qualquer coisa, precisamos ter consciência do porque de nossa existência e do verdadeiro propósito desta vida. Como humanos, nossa missão e a de resgate do equilíbrio, retornar a perfeição do criador. Como criaturas acabamos nos impregnando com os venenos das personalidades assumidas em nossas varias vivencias o que nos faz crer que o equilíbrio seria o domínio de todas as coisas. Isto fica bem claro no egoísmo de nossas atitudes e principalmente na ignorância de nossa essência.

O corpo físico em sua manifestação energética grosseira tem somente a função de sinalizador de nossas atitudes, pois e a partir das manifestações ocorridas neste plano é que poderemos identificar os resultados concretos de nossas ações. Estar bem ou estar mal ocorre por criação de nossas limitações personais baseadas nas informações e formações terrenas distorcidas que ontem, hoje e sempre nos encaminham para as duvidas do quem somos nesta relação com este mundo. Nossa maior duvida é sobre sermos uma forma energética que denominamos Deus pois, temos necessidade constante de testar nossa fé através de rituais religiosos que nada mais são que muletas cujo uso continuado nos mantém no desequilíbrio constante.

O sinal mais importante de nosso desequilíbrio nós qualificamos como uma mal, geração das trevas e denominamos “doença”. Deveríamos agradecer esta manifestação nos seus primórdios e buscar de pronto o entendimento da atitude tomada como causadora desse desequilíbrio. Toda doença é um sinal de alerta, como uma luz vermelha piscante mostrando que devemos passar. Infelizmente ainda estamos longe do entendimento desta relação terrena e buscamos nos medicamentos, nas ervas, nas teorias médicas e na ciência uma resposta que esta e sempre esteve na atitude individual de nossa existência.

Somos a perfeição, somos o equilíbrio, mas nossas atitudes pessoais acabam por transformar nosso Ser em Ter e passamos a acreditar que temos ou não poderes esquecendo completamente do objetivo primordial, “exercer poderes”.

A cura é o equilíbrio. Equilíbrio de nossa relação com o meio em que vivemos, com nossos semelhantes e principalmente com nós mesmos. Precisamos aprender a respeitar nossa constituição e não ficarmos nos desarmonizando em nome de prazeres passageiros. Tudo pode ser mudado quando esta atitude começa em nós. Busquemos em nosso intimo as afirmações que tem nos distancia de nossa essência e procuremos trabalhar constantemente o exercício do não controlar a fim de que o controle e o equilíbrio estabeleçam a sintonia prefeita da vibração cósmica. Temos o poder da escolha. Somos os únicos escolhidos com esta dádiva. Chegou o momento de nos libertarmos das amarras, da desculpa, dos medos e da preguiça. É chegada a hora de irmos ao encontro de nós mesmos e definirmos como escolho viver minha vida daqui para frente.

Tudo o que estamos vivendo agora definirá nossa existência de amanha. O equilíbrio esta no entendimento da nossa verdade primordial que se fez bem antes desta caminhada personal.

A doença é personal, jamais atinge a individualidade.

A morte é personal, pois é o termino / começo de nosso relacionamento com esta energia mais densa (corpo físico).

A morte nem sempre será por conseqüência de uma doença, mas esta poderá ter como conseqüência a morte, que deve ser encarada como a última instância usada, para fazer parar uma atitude desequilibradora.

Comentários no Facebook